‘Fiquei impressionada”, diz mãe de criança agredida em creche

‘Fiquei impressionada”, diz mãe de criança agredida em creche Fonte da Foto: circuito de segurança

A mãe de uma das crianças, que aparecem em um vídeo sendo tratadas de forma agressiva por uma monitora do Centro de Educação Infantil Camila Negrão, em Avaré, afirma que ficou impressionada ao ver as imagens. A matéria é do site G1.

O caso ocorreu no dia 14 de junho, mas o vídeo foi divulgado no último final de semana. A monitora foi afastada pela Prefeitura de Avaré e a Polícia Civil está investigando.

"Eu fiquei bem impressionada quando eu vi e fui tentar saber mais sobre o caso. Foi difícil cair a ficha saber que isso aconteceu com meu filho. Eu não consigo entender. Maldade fazer isso. Eu não consigo ver o vídeo e não consigo falar porque fico nervosa. Coloquei meu filho na creche para ser cuidado", afirma Ana Paula Carvalho.

Ainda segundo a mãe, ela foi informada sobre o caso apenas no final de setembro.

"Me informaram no dia 12 de setembro. Eu não pude tomar atitude porque não sabia. Eu estou revoltada e quero justiça. Uma pessoa dessa não pode cuidar de criança", ressalta,

Nas imagens é possível ver que as crianças foram colocadas para dormir pela funcionária. Porém, uma delas sai do colchão.

A mulher fica parada por alguns segundos na porta da sala. Na sequência, ela entra com o celular na mão, larga o aparelho e, de maneira rude, segura nos braços da criança e a coloca novamente no colchão. Ela chega a empurrar a cabeça do menino.

Em seguida, a monitora anda pela sala, vai em direção a um outro menino que parece dormir, segura nas pernas dele e o joga contra o colchão.

Três minutos depois, a criança que está com blusa rosa sai do colchão. Mais uma vez a monitora larga o celular e a coloca no lugar. Depois faz o mesmo com outro bebê, mas acaba jogando a criança contra o colchão.

Ainda no vídeo é possível ver quando o bebê de rosa senta de novo e a monitora vira a criança e a empurra contra o colchão. Na sequência parece ameaçá-lo.

Investigação

De acordo com a Prefeitura de Avaré, a monitora, que é concursada, foi suspensa por 30 dias e foi aberta uma sindicância interna.

Segundo o Executivo, depois que acabou o prazo de suspensão, a mulher tirou férias e ainda não voltou ao trabalho.

Mas, de acordo com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Avaré, ela será transferida para uma unidade onde não terá contato com crianças até o fim do processo administrativo.

A decisão se a monitora será exonerada só sairá depois do fim da sindicância.

Veja Também