Jogo político feito por prefeito na Frea decepciona professores

Jogo político feito por prefeito na Frea decepciona professores Fonte da Foto: Divulgação

Choveram ligações e mensagens para o Jornal do Ogunhê, com relação à matéria sobre a eleição da Frea, onde a jogada política de ignorar a candidata que venceu a eleição, só porque tinha o sobrenome Paulucci, mostrou que o prefeito usa de critérios políticos quando o bom senso exigia que respeitasse pelo menos a democracia e a vontade da maioria dos professores e funcionários.

O resultado da votação, onde Lígia Paulucci teve 78 votos e o segundo colocado 35 votos, mostra que já existia uma opção entre os votantes, e também como foi informado pelo Jornal A Comarca, ficou claro que havia um acordo entre os candidatos que mesmo o prefeito escolhendo o menos votado, o indicado respeitaria a vontade da maioria e deixaria a vaga para o ganhador do pleito, o que não ocorreu e causou grandes decepções.

No final quem o prefeito escolheu foi o segundo lugar Edson Gabriel, de quem os votantes esperavam que cumprisse o mencionado acordo, mas conforme foi noticiado no jornal A Voz do Vale, ele já assumiu a vaga, e passou a régua nessa discussão e nesse acordo, agindo em sintonia com o grupo do prefeito.

Fica claro que faltou conhecimento às pessoas sobre as práticas de Jô Silvestre e seu grupo, mostrando que de acordo com as conveniências políticas e até de sobrenome, aquilo que é dito pode não ser cumprido, onde a democracia é varrida pra debaixo do tapete, valendo somente a força da caneta. Sobre isso, a quebra de acordos por esse grupo, não faltam exemplos, pois é uma conduta conhecida e que inclusive este jornalista e um deputado estadual têm história pra contar de palavras não cumpridas por parte de quem deveria ter respeitado pelo menos a palavra empenhada, que não foi honrada.

Veja Também