Vereador Rios pede reunião reservada em plena sessão

Vereador Rios pede reunião reservada em plena sessão Fonte da Foto: assessoria

O comportamento do vereador Alessandro Rios na sessão de segunda-feira, dia 03, logo após usar da tribuna leu um pedido em nome da coligação do PTB, para que em plena sessão viesse a acontecer uma reunião, onde ele alegava o suposto cerceamento do trabalho do vereador, uma situação inusitada e que chamou a atenção, já que o vereador deixa claro o interrompimento da sessão para que o presidente e a mesa se reunissem com ele, para resolver um assunto que para quem assistia a sessão não tinha conhecimento.

Ainda durante a sessão, depois de ter usado da palavra, o vereador Alessandro Rios insistiu no pedido da paralização da sessão para que pudesse se reunir com a mesa e o presidente, mas Barreto de Monte Neto reafirmou que não poderia paralisar a sessão para discutir um assunto interno, deixando quem assistia em casa ou ali mesmo na plateia, o que na opinião do presidente Barreto seria uma falta de respeito para com quem estava assistindo ou ouvindo a sessão.

Barreto deixou claro que embora não tivesse conhecimento do que pretendia o vereador Alessandro Rios, informou que logo que a sessão terminasse ficaria ele e a mesa à disposição do vereador, reforçando que não poderia paralisar uma sessão para discutir um caso isolado ou interno do vereador.

Por outro lado alegava para essa reunião para tratar de assunto de suposto cerceamento do trabalho do vereador tendo à sua retaguarda praticamente toda a base do prefeito Jô Silvestre, que segundo informações teriam participado da reunião que veio a ser realizada depois que a sessão terminou.

Após o vereador Alessandro Rios solicitar, durante a sessão ordinária, uma reunião com o presidente Barreto e a Mesa Diretora, todos reuniram -se tão logo findaram os trabalhos.

A solicitação se deu pelo fato de querer o vereador Rios explicações do presidente sobre uma viagem a qual ocorreu na sexta-feira, 31, e que o vereador não teria tido autorização expressa da presidência para alterar a rota da mesma.

Na verdade, conforme apurou o Jornal do Ogunhê, Alessandro teria protocolado uma solicitação pedindo autorização para utilizar-se de um dos veículos da Câmara para se dirigir à cidade de Mogi das Cruzes, onde teria um compromisso político e que sairia às 3horas da manhã.

Ocorre que, na quinta-feira, véspera da viagem, às 16h35, Alessandro protocolou novo pedido em que alterava a rota da viagem, o que não foi autorizado pelo presidente devido à documentação já estar pronta e devidamente assinada.

Diante disso, o vereador, em sua palavra livre, disse que a presidência da Câmara estaria cerceando o direito do vereador trabalhar, solicitando a reunião da qual participaram os integrantes da Mesa e os seis vereadores da base do prefeito.

Em contato, então, com o presidente da Câmara Barreto de Monte Neto, ele contou a nossa reportagem que explicou ao vereador Rios que o legislativo tem determinadas regras para viagens as quais seguem regiamente a legislação pertinente à administração pública.

"Foi uma conversa importante, tanto para o vereador Alessandro quanto para os demais pares que participaram da reunião em que pudemos esclarecer e justificar ao vereador que não se trata de cerceamento, mas sim de toda a regra e a burocracia que a lei determina ao gestor. Nós jamais iremos tomar uma atitude dessas. Sou uma pessoa aberta, democrática e que vou prezar pelo bom nome do legislativo avareense", disse Barreto.

Após a conversa, Alessandro e os demais vereadores entenderam o ocorrido, ficando tudo esclarecido.

Veja Também