Cidades da região intensificam fiscalização a festas clandestinas

Cidades da região intensificam fiscalização a festas clandestinas Fonte da Foto: ilustrativa

Sem opções para encontros nos finais de semana, em algumas cidades da região jovens promovem festas e baladas regadas a bebidas, de forma clandestina,  com a participação de jovens de toda a região que saem de suas cidades e vão para outras em busca de diversão nesse momento perigoso do coronavírus, que vem ceifando muitas vidas.

Avaré, Itapeva, Itararé e algumas outras cidades já estão marcadas, como foi o caso de uma festa clandestina que houve, recentemente, em Avaré, com mais de 150 pessoas e que durou dois dias, o que chamou a atenção da população foi quem teria promovido a festa. Segundo informações, a Prefeitura e a Polícia Militar agora estão intensificando a fiscalização.

No começo do mês de julho por exemplo, uma balada com cerca de 100 pessoas foi realizada em uma chácara no bairro Santa Cruz dos Lopes, em Itararé, festa que participantes apontaram que foi realizada pelo proprietário de uma lanchonete localizada no centro de Itararé, mas que negou que tivesse sido ele o organizador.

Outra festa aconteceu também dias atrás no pátio da GMH Alimentos, onde reuniu diversos jovens. A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar o evento, que foi realizado sem a autorização da empresa. Essas festas clandestinas, como todas que têm acontecido, teriam sido organizadas pelo Whatsapp.

Quem promove eventos está infringindo o Art. 268 do Código Penal por descumprir determinação do poder público destinada a impedir indução ou propagação de doença contagiosa. Em Itararé, é infração ao Decreto Municipal, referente à suspensão por prazo indeterminado da realização de eventos públicos ou privados, incluindo no rol de eventos festas particulares.

Veja Também