CPI do Covid é inegável e Câmara sofre pressão popular

CPI do Covid é inegável e Câmara sofre pressão popular Fonte da Foto: reprodução

Informações de dentro da própria Câmara de Vereadores de Avaré dão conta de que todos os vereadores, inclusive os da base de sustentação ao prefeito Jô Silvestre, receberam duras cobranças para a criação de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar os gastos suspeitos de compra de sedativos para o Pronto Socorro.

Uma grande quantidade de pessoas se manifestou nas redes sociais inconformada com a aquisição de insumos para sedação de pacientes com preços aparentemente astronômicos, o que teria chacoalhado as autoridades municipais. Muitas delas pediram a abertura de uma CPI para apurar o caso. Todo o barulho começou com uma notícia investigativa deste Jornal (Jornal do Ogunhê), que levou em dois dias o Secretário de Saúde solicitar  Do Vale TV para uma entrevista, sendo onde o Secretário fez revelações para o repórter Caio Augusto da Do Vale TV, até reconhecendo a compra muito acima do preço e até transferindo o problema para o Departamento de Compras da Prefeitura, o que se torna inegável a abertura de uma CPI do Covid, que deve ser protocolada pela oposição no dia de hoje, 3 horas da tarde na Câmara de Avaré. Assunto que foi divulgado por todos os sites de Avaré.

Informações de bastidores apontam que os vereadores da oposição fecharam questão sobre a abertura de uma CPI para investigar os gastos da prefeitura nas ações da pandemia do Coronavírus. Segundo uma fonte os vereadores estão recebendo documentos e novas informações para protocolarem a abertura de uma CPI que necessita apenas da assinatura de quatro deles para instalação automática da investigação, o que poderá acontecer na sessão ordinária de hoje.

Veja Também