Todos os corruptos querem calar a imprensa

Todos os corruptos querem calar a imprensa Fonte da Foto: divulgação

Administradores públicos corruptos procuram usar o poder de tributar, o poder de polícia, o poder econômico para calar e perseguir alguns veículos de comunicação. Todos que tomam ciência do uso dos artifícios para calar um veículo de comunicação e se omitem, é porque são cúmplices de um sistema corrupto, pois, sobrevivem à custa do mesmo, em síntese, são corruptos.

Uma administração municipal vive a sombra da corrupção, quando um gestor municipal assume uma administração e realiza poucas mudanças nos secretariados, e nos segmentos de funcionários de primeiro e segundo escalão, os quais obviamente são de confiança do (a) administrador (a) municipal afastado (a) por corrupção.

Imagina agora que um administrador seja afastado por corrupção, mesmo assim, o novo gestor ao assumir, continue efetuando os pagamentos de diversos acertos do afastado (a), sem solicitar uma auditoria nas contas, contratos e ações realizadas até o momento que assumiu, obviamente é um corruto disfarçado de honesto, pois, se tinha corrupção em andamento, todas as ações tomadas anteriormente deve ser revistas.

Um gestor público vive à sombra da corrupção, quando é cúmplice do uso do poder público municipal, do uso do poder de tributação do município, do poder de polícia do município para calar um veículo de comunicação que foi implacável ao dar publicidades aos atos de corrupção praticados pelo alcaide ou alcaidessa municipal afastada por corrupção.

Podemos dizer que um gestor municipal vive a sombra da corrupção quando possui umbigo ligado diretamente ao grupo com diversos escândalos de corrupção, e que procura fazer as ações agradando e mantendo diversos secretários e funcionários de confiança do (a) ex-administrador (a) e mantendo os pagamentos compactuados anteriormente sem fazer uma auditoria nas contas.

Por outro lado, às vezes uma situação pode parecer ideal em uma localidade, pois, a situação estava tão caótica, entre outros pontos, que bastou dar continuidade as ações que vinham ocorrendo, melhorando a situação de estradas no perímetro urbano e posteriormente fazendo um trabalho de melhoramento da iluminação pública que muitos passaram achar isso como se fosse o máximo.

Na realidade, quando as pessoas têm um baixo nível de comparação, qualquer melhoria parece algo fantástico, quando na verdade, estes municípios administrados por corruptos, possui muito mais potencial que vem sendo menosprezado.

Esses municípios possuem grande potencial no setor de agricultura, pecuária, turismo, agroindústria, ou seja, nem se tem um projeto de desenvolvimento do potencial da localidade, existe uma incompetência administrativa, existe uma corrupção disfarçada de seriedade e transparência.

Obviamente todo corrupto e incompetente procura calar a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo de comunicação, e ignora a constituição que diz que as ações anteriores nem podem sofrer qualquer restrição.

Todo corrupto e incompetente procura ignorar que nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social.

Todo corrupto interpreta o parágrafo segundo do Art. 220 da constituição que diz: § 2º É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.

Como se fosse o Parágrafo sexto do mesmo Art. 220 da constituição de 1988 que diz: § 6º A publicação de veículo impresso de comunicação independe de licença de autoridade. Ou seja, todos os corruptos desejam usar a lei, o poder econômico, o poder de polícia municipal e tudo que estiver ao seu alcance para calar a imprensa e as pessoas que discordam dos mesmos.

Procuram usar o poder de tributar, procuram somente publicar em veículos de comunicação que lhes agradam e bajulam, na realidade, os corruptos nem desejam a liberdade de imprensa e procuram usar de todos os meios necessários para calar, pois desejam explorar e se apropriar dos recursos públicos tranquilamente.  Por: Maurilio Trindade Aun (jornal A Folha do Vale) MT

Veja Também